Wednesday, November 09, 2005

Dos rodízios e buffets



All-you-can-eat. Tentador. Coma o máximo que conseguir, porque o preço é o mesmo. É por isso que as pessoas param de comer um dia antes quando sabem que vão a um restaurante desses. Querem fazer valer o investimento. O dono do restaurante, é claro, está ciente da situação. Ele tem medo que você coma demais e dê prejuízo. Você está lá para dar prejuízo.
Quando se sai para jantar, normalmente o que se quer é um ambiente agradável, com boa comida. Mas quando você pode comer o quanto quiser, o ambiente e a qualidade pouco importam. O que você quer é comer.
Rodízios de churrascarias são exemplos interessantes. As pessoas chegam pálidas, brancas de fome. E saem afrouxando as calças. “Comi demais, chega... foi bom que o garçom esqueceu da gente ali no final, senão teria comido o dobro”. Ele não esqueceu. Faz parte do script. No começo, eles procuram servir o máximo de carne possível. A idéia é que você coma rápido o suficiente para ter uma congestão sem ter ingerido muita comida. Aqueles cartõezinhos de sim/não, verde/vermelho não passam de ilusões de controle: experimente insistir no cartãozinho vermelho depois do primeiro prato de salada, ou deixá-lo no verde depois que o coração de frango passou pela terceira vez. Inútil.
Alguns restaurantes possuem o requinte de servir também a bebida à vontade por um preço fixo – o refil. Mas o efeito desse estratagema fica sujeito ao famoso paradoxo das conseqüências: os mais fracos podem se encher com o refrigerante e poupar as peças de picanha-nobre; já para os profissionais – que são os que importam - a bebida ajuda a cimentar e compactar o bolo alimentar, abrindo espaço para mais comida.
Nesses casos o melhor a fazer é parar de servir. Depois da bonança inicial, o ritmo vai caindo até o ponto que os garçons parecem ignorar completamente aquela seção. É como se a comida da casa estivesse contaminada por alguma doença contagiosa, e os fregueses precisassem ficar um tempo de quarentena antes de serem liberados para pagar a conta. Por isso que você nunca vê um garçom provando a carne escondido – eles nunca sabem dizer se a peça está bem ou mal passada. Cortam primeiro e vão botando no seu prato, sangrando... “bem passada pra você?”. Isso quando a pergunta não vem com aquele ar de desdém, como se comer carne vermelha fosse prova de virilidade. Quem ele quer enganar? Nenhum de nós dois caçou aquela vaca, e mesmo se fosse o caso não teria sido uma caçada das mais emocionantes. “A mocinha quer que passe um pouco mais?”.
O buffet all-you-can-eat diz muito sobre a classe e o requinte de um restaurante. Nos mais fuleiros, pagam-se as sobras. Por peça, no caso dos rodízios japoneses - e por peso mesmo, naqueles onde o almoço custa $4,90. “Onde você pensa que vai? Tem pelo menos umas 100 gramas aí nesse seu prato. Não gostou do gato? Azar o seu... Você me deve $0,50!”
Acredito que o rodízio que mais se aproxime do ideal é o de pizzas: dificilmente param de servir, e se você quiser pode deixar as bordas de lado que ninguém vai pesá-las. Tudo isso, creio, graças ao advento da pizza doce. Ela restabelece a ordem natural das coisas: Salgado – Doce – Rua. São sempre enjoativas, que é para garantir que ninguém vai voltar para os pedaços salgados. Reparem que antes dos rodízios de pizza não havia pizza doce (nada na vida é por acaso...)
Bom, agora chega que escrever dá fome. Ler mais ainda. Vai uma pizza de chocolate?

14 comments:

  1. A periodicidade agora mudou. É semanal. E não tem um dia da semana definido.

    É, não mudou nada...

    ReplyDelete
  2. esqueci... alguém tem uma fotinho melhor pra ilustrar? não achei nenhuma...

    ReplyDelete
  3. Aqui tem uma foto muito boa prá vc usar
    http://www.howardfamily.ws/images/cruise%204-02/128%20midnight%20buffet%20food%20art.JPG

    ReplyDelete
  4. Boa Chicão. Você comeu a bola !!

    ReplyDelete
  5. Não gostei da foto.
    Vamos marcar um rodízio de pizza amanhã ?

    ReplyDelete
  6. Scattolin, você se inspirou em mim e no Peladão para escrever algumas partes desse blog!
    Olé

    ReplyDelete
  7. É boa essa ilusão que temos achando que estamos comendo muito e pagando pouco, estamos exercendo uma das características mais marcantes do povo brasileiro: achar que estamos passando a perna em alguém...mas como sempre, alguém já passou a perna na gente antes...

    ReplyDelete
  8. Finalmente um sinal de vida, muito bom por sinal!


    ps.: eu disse que não esperaria, mas esperei! :(

    ReplyDelete
  9. Scattola

    Texto nota 9 , gostaria de ver você falando de politica em um próximo texto.

    ReplyDelete
  10. Dios! no duvide! o tecsto está federal!

    ReplyDelete
  11. Bom Chico, apesar do atraso na atualização mais um texto bom... graças à isso vc já está incluído no nosso grupo de história desse bimestre.. não precisa agradecer .. ainda.. flw

    ReplyDelete
  12. ô figura, essa imagem que vc mandou quando eu salvo pra colocar ela vira bmp.
    fica muito grande daí...

    olé...

    ReplyDelete
  13. Cada vez seu blog esta mais gostoso de ler, e agora que falou de comida, me deu fome Quem sabe um rodizio japones ou na familia Mancini... suco à vontade...
    Mônica

    ReplyDelete
  14. Chico, adorei... sensacional esse texto... Aliás, você nunca foi em nenhum rodízio com a gente... tudo bem, já sabia que você não gostava de mim mesmo... Beijo

    ReplyDelete